Menu
2020-10-01T18:24:13-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
DIVULGAÇÃO ATRASADA

CVC cai mais de 4% após ter prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre

Pandemia derruba receita e provoca despesas não recorrentes no período

1 de outubro de 2020
10:48 - atualizado às 18:24
CVC
Imagem: Divulgação

Depois de adiar por diversas vezes a divulgação dos resultados do primeiro trimestre, a CVC apresentou na quarta-feira à noite (30) o balanço. Na ocasião, a empresa registrou um prejuízo líquido de R$ 1,15 bilhão, revertendo o lucro de R$ 50,1 milhões apurado no mesmo período de 2019.

O mercado reagiu negativamente aos números. Por volta das 10h51, as ações (CVCB3) caíam 4,53%, a R$ 15,40. Até o fim do dia, porém, a CVC reduziu as perdas, fechando em queda de 2,60%, a R$ 15,71.

O desempenho foi duramente afetado pela pandemia de covid-19. A receita caiu 18%, na mesma base de comparação, para R$ 397 milhões, de acordo com as normas contábeis. A empresa também apresentou números no critério pro forma, ajustado para contemplar operações adquiridas ao longo de 2019, para facilitar a comparação anual. Nesse caso, a receita caiu 36%, para R$ 289,6 milhões.

Os números pro forma mostram que as reservas confirmadas para viagens caíram 31,1%, para R$ 3,27 bilhões, e as reservas totais recuaram 24%, para R$ 3,74 bilhões.

A covid-19 também gerou despesas não recorrentes que acabaram afetando o lucro líquido do primeiro trimestre. A maior delas foi a baixa contábil (“impairment”) de R$ 637,5 milhões feita no valor de empresas adquiridas, principalmente na Argentina, por conta da redução das operações da companhia e as perspectivas quanto à retomada do setor de viagens. Uma empresa precisa realizar o chamado “impairment” quando avalia que vai demorar para recuperar o valor investido em um ativo num horizonte de cinco a dez anos.

Outras despesas não recorrentes também prejudicaram a CVC no primeiro trimestre, como a reversão de créditos fiscais diferidos, no valor de R$ 302,7 milhões, e a constituição de uma provisão para devedores duvidosos (PDD), de R$ 64,7 milhões, por conta dos cancelamentos de viagens e aumento da inadimplência de clientes em função da crise econômica provocada pela pandemia.

Estes fatores fizeram o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado cair 90,5%, para R$ 12,5 milhões.

A CVC destacou que a geração de caixa operacional no primeiro trimestre foi de R$ 331 milhões, acima do R$ 1 milhão do mesmo período de 2019. A dívida líquida pro forma somou R$ 1,94 bilhão, alta de 34,7%, e a alavancagem financeira – medida que mostra quantos anos a empresa levaria para pagar sua dívida líquida usando sua geração de caixa – subiu de 2,33 vezes para 4,09 vezes. Em termos contábeis, a dívida e a alavancagem fecharam o período em R$ 1,50 bilhão e 3,17 vezes, respectivamente.

A companhia de turismo atrasou a divulgação dos resultados do primeiro trimestre por conta da pandemia, que forçou uma revisão da demonstração financeira, e por ajustes feitos no desempenho de anos anteriores depois de constatar irregularidades contábeis, com distorções na contabilização de valores transferidos aos fornecedores de serviços turísticos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Saúde Covid-19: Brasil tem 13,3 milhões de casos e 348,7 mil mortes

Segundo informa o Ministério da Saúde, em 24 horas foram registradas 3.693 novas mortes

seu dinheiro na sua noite

Samarco tentando tirar o nome da lama

Seis anos atrás, a enxurrada de lama tóxica que se rompeu da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, matou 19 pessoas, destruiu casas e causou sérios danos ambientais à bacia do Rio Doce, chegando até o litoral capixaba. A tragédia de Mariana, como ficou conhecida, colocou na boca do povo o nome da empresa […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Novela do Orçamento é prorrogada e gera estresse – dólar absorve cautela e saldo da bolsa na semana é positivo

Embora o dia tenha sido de estresse para os ativos locais, a bolsa brasileira terminou a semana pós-Páscoa com um avanço de 2,10% e o dólar recuou

mineração

Com R$ 26,7 bi em dívidas, Samarco, da Vale, pede recuperação judicial

Segundo a Vale, “grande parte” desse valor antecede o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG); companhia tenta evitar ações que pedem o bloqueio de contas bancárias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies